quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Trás-Os-Montes e Alto Douro.E Porque Não?

"Trás-os-Montes

"Transmontanos" continuam a querer o Douro

Setenta e oito milhões de euros para 15 municípios, poderia ser
uma verba maior, se houvesse "união" das duas comunidades
A Comunidade Intermunicipal de
Trás-os-Montes tem aprovada uma
verba de 78 milhões de euros, no
âmbito do actual quadro comunitário
de apoio (QREN: Quadro de
Referencia Estratégico Nacional), a
distribuir por vários projectos apresentados
pelos 15 municípios que a
compõem. Fernando Campos, presidente
da Comunidade e da Câmara
Municipal de Boticas, considera que
uma união entre esta comunidade e
a Comunidade Intermunicipal do
Douro representaria um aumento da
capacidade negocial que se traduziria
num aumento das verbas disponíveis
para ambas as regiões.
“Se formos capazes de pôr de parte
aquilo que nos divide e relevar o
que nos une, a fusão dar-nos-ia uma
força negocial que isoladamente não
temos,” disse e recordou que as duas
comunidades, juntas, representariam
dois terços da Região Norte.
Recordamos que os municípios de
Trás-os-Montes e alguns estudiosos
na matéria defenderam, diversas
vezes e em diferentes contextos, a
união da região, enquanto a sul, no
Douro, se avançava para a constituição
de uma outra comunidade,
independente.
Como essa união não passa de um
ponto de vista e um desejo de alguns
autarcas, os municípios de Trás-os-
Montes tiveram de negociar sozinhos,
com a Comissão de Coordenação
e Desenvolvimento Regional
do Norte, a actual verba.
Mesmo sem a fusão das duas comunidades,
Fernando Campos espera
que a verba seja reforçada no
próximo ano, aquando da renegociação
do QREN.
Os 78 milhões são para este representante
da região, “uma gota
de água” relativamente as necessidades
de Trás-os-Montes, mas representa
também um desafio para os 15
municípios que “vão ter que provar”
que são “capazes de pôr para trás das
costas bairrismos balofos”.
Alguns dos investimentos respeitantes
aos 78 milhões negociados estão
já em execução, em alguns municípios.
Segundo Fernando Campos,
o conjunto de investimentos, que
resultou de um Plano Estratégico
acordado pelos municípios, é muito
diversificado, compreendendo
investimento em estradas, no desenvolvimento
económico, melhoria
da sustentabilidade ambiental,
apoio social, entre outros.
Na semana passada foi instada em
Bragança a Assembleia da Comunidade
Intermunicipal, que aprovou o
plano e orçamento para 2010".
Ana Preto
Fonte:In MN

Sem comentários:

Enviar um comentário